Síndrome do olho seco

Atualmente estamos vivendo uma epidemia da Síndrome do Olho Seco. Esta síndrome vem sendo descrita há muitos anos e sua massiva apresentação se propagou com o uso excessivo de telas de dispositivos eletrônicos durante a Pandemia de Covid-19 em 2020.

A Síndrome do olho seco ou ceratoconjuntivite sicca (KCS) é uma doença multifatorial das lágrimas e da superfície ocular que resulta em desconforto, distúrbios visuais e instabilidade do filme lacrimal, com dano potencial à superfície ocular. É acompanhado de aumento da osmolaridade do filme lacrimal e inflamação da superfície ocular.

Pessoas de todas as idades são afetadas, sendo que algumas situações agravam ainda mais este problema, como a exposição a ar condicionado, alergias oculares e doenças reumatológicas.

Estamos impressionados com a alta incidência em crianças e adolescentes desde a pandemia de Covid-19. O uso excessivo de telas para finalidades educativas e recreativas tornou a superfície ocular sensível e alterada, gerando sintomas de olho seco que podem afetar o desenvolvimento ocular das crianças e adolescentes. 

A sensação de desconforto pode levar ao ato de coçar os olhos, e este fato é promotor de várias doenças oculares, sendo a promoção de ceratocone, degeneração pelúcida, conjuntivites e até mesmo descolamento da retina as complicações mais graves a serem desencadeadas.

Para o diagnóstico é necessário realizar alguns exames durante a consulta oftalmológica  de rotina. Desenvolvemos um questionário especial para avaliação e estadiamento da Síndrome do olho seco baseada no DEWS II.  Realizamos avaliações específicas para a síndrome do olho seco e para pacientes que investigam Síndrome de Sjögren com seus reumatologistas.

TRATAMENTO

O tratamento desta síndrome pode ser clínico, baseado em uso de colírios lubrificantes, medicações orais ou por procedimento com a aplicação de Luz Pulsada.

Para saber mais, agende sua consulta.